Pular para o conteúdo principal

Como comprar uma mesa digitalizadora

Oi, gente!
A arte do desenho é realmente impressionante. Evolui tanto em termo de técnicas como em termo de novos suporte, materiais e equipamentos. Hoje em dia, por exemplo, existem as Mesas Digitalizadoras, que oferecem uma ótima possibilidade de desenhar direto no computador, subistituindo o mouse. Claro que a facilidade e a qualidade gráfica do velho e bom lápis ainda se mantem. Mas, as mesas digitalizadoras avançam a passos largos. Bom, navegando pela net, encontrei um texto muito interessante, de autoria de Ivan Gerônimo (artísta gráfico e jornalista), sobre o que se deve observar quando se compra uma mesa digitalizadora. Segue ai logo a abaixo, o texto completo e as referências. 


Modelos não variam somente de tamanho, há diferenças mais sutis
As dores no pulso e no ombro são um bom lembrete de como o mouse é deficiente como ferramenta artística. Não bastasse o estresse físico, ele é insensível a qualquer tentativa de obter um resultado mais expressivo: não reage à pressão e nem a mudanças mais sutis na direção e inclinação da mão. Mais que substituir o mouse, a mesa digitalizadora permite trabalhar de forma mais parecida com a que se trabalha com ferramentas tradicionais. Em softwares como Photoshop e Painter, por exemplo, é possível variar a espessura do traço ou a intensidade de uma ferramenta pressionando a caneta com mais ou menos força. Isso dá maior flexibilidade para edição de imagens e permite pinturas e desenhos com aspectos mais naturais.
Por que você está rabiscando o pé-de-mouse com a caneta?
Uma mesa digitalizadora, ou tablet, em inglês, é composta de uma prancheta e uma caneta. Alguns fabricantes incluem também um mouse, mas é possível continuar usando o mouse convencional e ter os dois equipamentos instalados e funcionando. As mesas atuais são USB e puxam a energia do computador, embora as canetas de algumas marcas funcionem a pilha.

Na superfície da mesa digitalizadora há uma área retangular. Para mover o cursor na tela, é só deslocar a caneta sobre essa área, sem tocar na superfície. Um toque da caneta equivale a um clique. Arrastar a ponta da caneta é como clicar e arrastar. No corpo da caneta, há botões que servem como duplo clique, botão direito ou outra função programável. Dependendo do modelo, a caneta inclui uma borracha virtual na extremidade oposta à da ponta. Na superfície da mesa, na margem superior da área de trabalho, uma tira de botões impressos serve para funções como copiar, colar, salvar etc. A linha Intuos 3 da Wacom, ainda tem botões extras e um recurso semelhante a um touch pad nas margens laterais.


A sensibilidade à pressão em programas de edição de imagem e pintura é uma mão na roda e funciona da seguinte forma: ao usar um pincel com a cor azul, por exemplo, posso escolher que a opacidade seja variável. Se uso pouca força, a tinta fica transparente, deixando aparecer o que estiver por baixo. Se eu pressionar a caneta mais forte, obtenho um azul totalmente opaco. Também dá para variar a espessura do traço: quanto maior a pressão, mais grosso o traço. Esses ajustes valem inclusive para ferramentas como Blur, Burn, Undo Brush etc, recurso útil para retoque fotográfico. Algumas de minhas caricaturas não seriam possíveis de ser feitas no computador sem a mesa, e sempre que tenho de fazer retoques delicados em uma foto, o trabalho fica mais fácil.


Coordenadas fixas são uma das características das mesas digitalizadoras
Quem usa o equipamento pela primeira vez estranha a movimentação lenta do cursor. Um mouse registra apenas o movimento, mas não a posição. Por isso, é possível levantá-lo, movê-lo no ar, baixá-lo em um lugar diferente de onde estava e o cursor na tela do computador não se mover. Já em uma mesa digitalizadora, cada ponto da área ativa da mesa equivale a um ponto no monitor. Se você coloca a caneta no canto superior esquerdo da mesa, o cursor se posiciona nesse mesmo local. A Wacom oferece a opção do modo mouse, mas para desenhar o modo de caneta é melhor. Se possível, peça a alguém que já tenha uma para lhe emprestar por uns dias ou deixar você usá-la por algumas horas. Eu demorei cerca de um dia para me acostumar com ela, mas não são todos que se adaptam. Abra um programa de edição de imagem ou de ilustração e veja se consegue bons resultados.
Do PP ao GG, para todas as idades e bolsos
A primeira especificação a ser levada em conta é o tamanho. O menor modelo tem 4 x 3 polegadas de área de trabalho, equivalentes a 10 x 7,5 cm, pequeno demais para pintura. O tamanho seguinte é de 4 x 5 polegadas de área útil (10 x 12,5 cm), as mesmas dimensões de um cartão postal. Pode parecer pouco, mas é suficiente para a maioria dos artistas. Eu uso uma mesa de 6 x 8 polegadas (15 x 20 cm), que é o tamanho de uma folha A5 (metade de uma A4). Mas como tenho dois monitores, a área útil da mesa é cortada na altura para compensar a diferença de proporção. A redução até tem uma vantagem: não é preciso mexer muito o braço para alcançar os extremos do monitor. Modelos maiores, como 9 x 12 polegadas (A4) e 12 x 18 polegadas (A3), só são adequados se você realmente é acostumado a pintar e desenhar em grandes superfícies, vai redesenhar plantas de projetos ou tem uma conta bancária folgada. Um aviso: não confunda área de trabalho com as dimensões totais do equipamento. Alguns fabricantes exageram no tamanho dos modelos para que pareça maior que a do concorrente, embora as dimensões da área de trabalho sejam as mesmas.
Outros dois fatores técnicos influenciam o preço: a resolução e a quantidade de níveis de pressão. A resolução indica a quantidade de pontos que a mesa registra dentro da área de trabalho, e quanto maior, melhor. Os valores geralmente ficam entre 1.000 e 5.000 linhas por polegada (lpi, na sigla em inglês). Se você ver o termo "resolução interpolada" nas especificações, desconsidere-a e procure pela real. Já os níveis de pressão dão a medida da sensibilidade do equipamento em registrar as nuances de força com que se usa a caneta. Modelos mais caros têm 1.024 níveis e os mais econômicos, 512 níveis. Já tive a oportunidade de utilizar modelos com níveis e resoluções diferentes. A impressão é que a de 1.024 níveis tinha uma sensibilidade mais gradual à pressão, enquanto a de 512 parecia ter um nível que, ultrapassado, aumentava bruscamente a espessura do traço. De qualquer forma, a diferença era sutil, e não dava para saber se a causa eram mesmo as especificações, o driver com poucos ajustes ou o design. A qualidade do equipamento e do software controlador, inferior nos modelos mais baratos ou de marcas menores, são mais determinantes para o "feeling" de uma mesa que as especificações puras. Sobre a resolução, não pude ter certeza. A minha tem 2.500 lpi, mas o fabricante da outra mesa informava apenas a resolução interpolada, de 3.048 lpi. Mesmo supondo que a resolução real fosse a metade, não senti distinção. É bom verificar se a mesa é realmente sensível a pressão. Os primeiros equipamentos que a Genius vendia aqui não eram, o que justifica seu uso apenas por conforto e prevenção de lesão nas articulações. Veja também se a caneta é sem fio. Canetas com fio podem ser incômodas.
Driver mais completo estende funções
Uma das peças mais importante da mesa, e geralmente pouco levada em consideração, é o programa que a acompanha para ser instalado no computador. Ele serve para controlar a sensibilidade da mesa, a área usada, o modo de uso, distribuição das funções para cada programa etc. Usuários de determinadas marcas reclamam de incompatibilidade e problemas do tipo, então certifique- se de que o modelo que você tem em vista vai funcionar com o equipamento e com os softwares que você usa.
Como última recomendação, observe a distância da mesa digitalizadora ao monitor. Ele pode causar interferência, tremer o cursor e acabar transformando seu belo traço em uma linha comparável à de "um médico escrevendo no ônibus", como dizia o Mussum. Se isso ocorrer, afaste- os.
Qual comprar?
Se você pesquisou preços e modelos, deve ter percebido a grande diferença de preço entre as Wacom e as Aiptek e Genius. A favor da Wacom:
  • A caneta e o mouse não usam pilhas
  • O software permite controlar muito mais variáveis que o da Aiptek (nunca usei uma Genius)
  • É compatível com vários programas e plataformas (PC, Mac)
  • No geral, o design e a manufatura são melhores
Aproveitar bem a ferramenta é mais importante que gastar além do necessário ou criar angústia com a defasagem de equipamentos eletrônicos, que é bem rápida. Havendo talento e prática, todas as especificações e recursos influenciam pouco.
* Os links para o Submarino são parte do programa de afiliados e não influem sobre as opiniões expressas nesta e em outras matérias e nem na linha editorial. Ao clicar em um link e realizar uma compra, você ajuda a custear as despesas de manutenção do meu site.

Comentários

  1. Fantastico este teu site, vai me ajudar muito, obrigada e parabens! Abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

44º SALÃO INTERNACIONAL DE HUMOR DE PIRACICABA

Já estão abertas as inscrições para o 44º Salão Internacional de Humor de Piracicaba. As inscrições podem ser feitas por correios, em nosso endereço: Av. Maurice Allain, 454 – Engenho Central -Caixa Postal 12 – CEP 13.405-123 – Piracicaba SP BRASIL ou online, no formulário disponível em nosso site http://salaointernacionaldehumor.com.br/inscricoes-2017/ e o regulamento pode ser baixado pelo link: http://salaointernacionaldehumor.com.br/wp-content/uploads/2017/03/sidhp-regulamento-2017.pdf
O tema sugerido pela organização do evento para a categoria PRÊMIO TEMÁTICO  é Criança: A criança que já exerce sua cidadania; a criança e suas perguntas difíceis aos adultos; os sonhos infantis; as crianças vítimas da guerra; a exploração do trabalho infantil;a criança como alegria do mundo; a criança e seus brinquedos e brincadeiras – são algumas abordagens para serem exploradas.
Esclarecimento: como nos últimos anos, o Salão sempre tem um Prêmio Temático especial, que já foi “Meio Ambiente…

Perspective for Comic Book Artists

Olá, gente! A pedido de um amigo seguidor do DESENHURAS, posto aqui um livro de desenho sobre perspectiva para quadrinhos de David Chelsea, que por sorte encontrei em meus arquivos, pois nem me lembrava de tê-lo aqui. Bom, o livro está em inglês, mas mesmo assim dá para estudar a aplicação da perspectiva nos quadrinhos. Um abraço a todos.

HQ - NÃO PERCA SEUS DIREITOS TRABALHISTAS

Essa HQ está sendo divulgada pelas redes sociais. Ela representa uma forma muito criativa, didática e interessente de ficar por dentro das polêmicas e sobrias reformas trabalhistas promovidas pelo governo de Temer. Uma ótima opção de leitura.