Pular para o conteúdo principal

Como contratar um ilustrador…

Como contratar um ilustrador…


…em sete dilemas simples.
Dilema Nº1: Foto ou ilustração?
Houve tempo em que toda a publi­ci­dade impressa era feita à base de ilus­tra­ções. Hoje em dia, depende.
Embora seja no fim das contas uma briga dura, uma ilus­tra­ção pode por vezes trans­mi­tir uma deter­mi­nada idéia com mais impacto e clareza do que uma foto­gra­fia. A ilus­tra­ção aponta para o lado de dentro do cérebro: ela despe a mensagem de todos os aces­só­rios não-essenciais e concentra-se no que você quer mostrar, dizer, trans­mi­tir. Uma incisão sensorial, por assim dizer – coisa cirúrgica.

Uma ilus­tra­ção pode fazer um mascote melhor, um mapa mais legível, um apelo mais claro. A foto­gra­fia abre, a ilus­tra­ção fecha. Foto­gra­fia é amor, ilus­tra­ção é sexo – o que também quer dizer que podem ide­al­mente conviver uma com a outra sem maiores problemas.
Dilema Nº2: Qual estilo?
Há os ilus­tra­do­res que especializam-se num estilo ou dois e há os renas­cen­tis­tas – que querem abraçar o universo e exploram mútliplas pos­si­bi­li­da­des de estilo e de materiais empre­ga­dos. O melhor ilus­tra­dor é o cara que consegue lidar com o estilo apro­pri­ado à sua mensagem e ainda deixar a coisa com um sabor único e muito pessoal.
Uma xilo­gra­vura, um bico de pena, uma aquarela, uma pintura a óleo ou um desenho a pastel? Cada mensagem exige o seu próprio estilo; um ilus­tra­dor confiável pode ajudá-lo a encontrar o estilo apro­pri­ado para a sua mensagem ou confirmar as suas suspeitas, se você já tiver alguma.
Dilema Nº3: Copyright – ou, de quem é e pra quem fica?
A não ser que fique esta­be­le­cido no contrato, o ilus­tra­dor permanece dono dos direitos de repro­du­ção (copyright) do trabalho que faz. Você em geral compra o direito de usar deter­mi­nada ilus­tra­ção por deter­mi­nado período de tempo e com deter­mi­nado propósito. Se o tempo de uso previsto for pro­lon­gado, ou se você pensar em utilizar a mesma ilus­tra­ção em outro meio, deve voltar ao ilus­tra­dor para discutir uma nova remuneração.
Exceções impor­tan­tes são per­so­na­gens, ilus­tra­ções de emba­la­gens e mascotes, cujos direitos de repro­du­ção um contrato deve prover que per­ma­ne­çam para sempre com você. Fazer diferente pode ser arriscado.
O ilus­tra­dor pode ainda exigir crédito: ou seja, que em algum lugar junto da ilus­tra­ção, onde quer que ela seja usada, uma pequena frase ou assi­na­tura mostrem que foi ele que fez.
Dilema Nº4: Quanto custa?
Digamos que vale mais do que você vai acabar pagando.
Dito de outra forma, uma peça é em geral orçada a partir de dois critérios básicos: (1) com­ple­xi­dade e (2) aplicação.
(1) A com­ple­xi­dade depende do meio empregado (bico-de-pena, aquarela, pintura a óleo) e do grau de realismo da ilus­tra­ção. Quanto maior o realismo, maior a complexidade.
(2) A aplicação mede onde você vai usar a ilus­tra­ção que está pedindo. Aplicação restrita é usar a ilus­tra­ção somente numa embalagem, numa capa de livro ou num cartão de visitas. Aplicação ampla é usar a ilus­tra­ção no seu produto, em cartazes na sua empresa e numa campanha publi­ci­tá­ria com direito a outdoor, peças de jornal e revista e inserções na televisão em rede nacional.
De modo geral, quanto menor a com­ple­xi­dade e menos ampla a aplicação, menos você tem de pagar.
Dilema Nº5: O preço da pressa: o fator “para-ontem”
A pressa é inimiga da nego­ci­a­ção – uma ilus­tra­ção feita para ontem pode custar muito mais caro do que, digamos, uma para amanhã. Depen­dendo do tamanho da pressa e do projeto, um ilus­tra­dor pode sentir-se à vontade para cobrar até 50% a mais do que cobraria em condições normais de tem­pe­ra­tura e pressão. Você também é, natu­ral­mente, livre pra procurar outro ilus­tra­dor que se submeta às suas exigências.
Dilema Nº6: Como saber se vai ficar como eu quero?
Em primeiro lugar, um ilus­tra­dor confiável vai saber dizer se o que você quer é realmente o que você precisa. Ouça o cara.
Dito isso, espe­ci­al­mente em se tratando de projetos grandes e custosos, o ilus­tra­dor pode requerer pelo menos uma remu­ne­ra­ção parcial pelo trabalho que teve, caso você volte atrás no pedido ou resolva não aprovar a coisa.
Em geral, no entanto, você só paga pelo que aprova.
Para evitar a rejeição é fun­da­men­tal um briefing bem passado – isso é, ilus­tra­dor e cliente con­ver­sa­rem até à plena satis­fa­ção sobre o que é preciso ser feito, como e quando. Se você aprovar o esboço que o ilus­tra­dor fez depois dessa conversa, e se ele se mantiver fiel ao esboço, espera-se que você aprove e pague.
Dilema Nº7: Qual é o trâmite?
Como tudo no mundo, a coisa começa com uma conversa sem com­pro­misso. Você e o ilus­tra­dor conversam, discutem estilo, com­ple­xi­dade e aplicação e ele fica de te mandar um orçamento. Aprovado o orçamento e o prazo, o ilus­tra­dor faz um esboço do que tem em mente e manda pra você aprovar. Aprovado o esboço, o ilus­tra­dor faz o que você pediu, manda o trabalho (espera-se, dentro do prazo) e você (espera-se) aprova.
Você ou a sua agência de pro­pa­ganda pagam o ilus­tra­dor, usam a imagem dentro dos limites com­bi­na­dos e ficam ricos e famosos.
Depois todo mundo se encontra pra tomar um cafezinho ou receber algum prêmio numa festa em que ninguém quer ir.
É o preço da fama.

Visite:
Brabo Ilus­tra­ção Comercial

Fonte: http://www.baciadasalmas.com/como-contratar-um-ilustrador/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Perspective for Comic Book Artists

Olá, gente! A pedido de um amigo seguidor do DESENHURAS, posto aqui um livro de desenho sobre perspectiva para quadrinhos de David Chelsea, que por sorte encontrei em meus arquivos, pois nem me lembrava de tê-lo aqui. Bom, o livro está em inglês, mas mesmo assim dá para estudar a aplicação da perspectiva nos quadrinhos. Um abraço a todos.

Burne Hogarth em português

Olá, gente!

Segue ai um ótimo livro do desenhista de quadrinhos estadunidense Burne Hogarth. Esta versão está em português e foi publicada em e-book gratuíto pelo blog Desenhistas Autodidatas cujo link segue ai para possíveis visitas: http://desenhistasautodidatas.blogspot.com.br/. Achei importante contribuir com a divulgação e por isso estou postando aqui também o e-book. Quem desejar conhecer este blog, eu recomendo, pois é muito interessante e também tem muito material sobre a arte de desenhar. Bem, até a próxima. 

Novo desenho feito direto no PC

Uma nova tentativa de desenho com a mesa digitalizadora Wacom e o software livre MyPaint. Não vou negar que estou achando muito frustrante desenhar olhando para a tela do computador ao invés de olhar para o lugar onde estou desenhando. Mas, fazer o quê? Quem não tem como comprar uma daquelas mesas digitalizadoras de alta qualidade, se vira com o que consegue.